sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Bom dia!

Não consegui vir neste cantinho para desejar um feliz Natal, mas espero que tenha sido ótimo!
O nosso foi muito bom, a ceia foi com uma parte da família do João, na casa do cunhado da minha cunhada. Acho que comi o suficiente para hibernar 2014 inteiro!
Tinha até um doce que comi muito na infância e que nunca mais tinha visto, são umas bolinhas ( bem pequenas mesmo ) de massa frita e por cima muito mel. Sobremesa simples, mas muito boa. Pena que não me lembro do nome.
Fomos embora de lá umas 3hs e pouco, daí passamos na casa de um casal de amigos onde estava rolando uma festa que mais parecia ser Réveillon! Fomos apenas para dar uma passadinha, mas acabamos ficando até o dia clarear.

Na quarta, acordamos quando eram quase 13hs, nem colocamos despertador, o dia estava um horror, mas pelo menos minha ressaca estava bem menor do que imaginei que estaria. Nos arrumamos e saímos para tomar café-da-manhã em alguma padoca, é tão estranho ver as ruas vazias com quase tudo fechado, nem parece São Paulo. Depois da padaria, fomos ficar um pouco na casa da minha sogra, onde comi uma das coisas que mais espero no Natal: o melhor bolo de nozes do mundo que ela faz!
Depois, resolvemos passear de carro meio sem rumo, pois se voltássemos para casa, certamente dormiríamos novamente e não queríamos. Acabamos parando na Blockbuster para garimpar filmes, mas os mais interessantes que achamos, já temos.
Fomos até a avenida Paulista, pois ainda não tínhamos ido conferir a decoração natalina deste ano.
Passeamos mais um tanto sem rumo e voltamos para casa.

A Fê veio em casa para tomarmos café com chocotone e trabalharmos enquanto João se divertia com os novos jogos no Xbox. Íamos trabalhar até domingo, mas em comum acordo, decidimos adiantar nosso recesso, daí já colocamos nosso aviso de retorno no dia 06 no site e nas mídias sociais e está tudo certo, tudo lindo. De quinta até domingo, provavelmente não teríamos muitas vendas e como já batemos nossa meta mensal, então achamos por bem descansarmos mais alguns dias para começarmos nosso 2014 com tudo! Daí em pleno Natal, resolvemos encerrar nosso trabalho neste ano, mas antes colocamos em ordem a planilha do fluxo de caixa, fizemos o balanço do ano, conferimos o estoque, listamos os pedidos para os fornecedores e fizemos um esqueleto do PN 2014. Por fim, brindamos e ficamos bebendo enquanto fazíamos planos pós-recesso. Antes dela ir embora, prometemos que não falaremos de trabalho até o dia 06, vamos ver se conseguiremos, pois nos encontraremos todos os dias de qualquer maneira.

Quando a Fê foi embora, quase 23hs, eu e o João estávamos sem sono e resolvemos assistir um filme. No lugar da pipoca, batatas Lay´s ( que voltou no Brasil! o/ ) e sorvete Tablito em versão massa. Assistimos Cartas para Julieta, história fofa, com um final previsível e óbvio, mas que me fez chorar mesmo assim.  

A semana passada foi punk, no melhor sentido que esta palavra possa significar. Além termos de cumprir com a entrega dos pedidos do primeiro filhote, ainda fizemos três eventos para vendermos os produtos eróticos: um no salão Laquê ( pela quarta vez! ), realizamos um ´Amiga secreta erótica´ e um evento fechado num condomínio em Barueri, num dos Tamboré.

O ´Amiga secreta erótica´ foi um teste, mas se soubéssemos que seria tão bacana, teríamos agitado outros. A Ana, uma amiga em comum, abraçou nossa ideia e agitou com uma turma de amigas, foram 22 no total. Como foi em cima da hora, então elas fizeram o sorteio, compraram os produtos e entregaram os mimos eróticos para a amiga secreta na mesma noite! Mas foi uma boa estratégia, até mesmo porque nesta época é difícil conseguir reunir todas por duas vezes. Alugamos o salão de festas, providenciamos comes & bebes, colocamos um som ambiente e deixamos os produtos escondidos em uma mesa externa na área da piscina ( por sorte não choveu! ). Depois do sorteio, uma de cada vez, ia comigo até a mesa, me dizia quem era a amiga sorteada e um breve perfil dela: comprometida ou não, porra louca ou recatada, enfim, infos importantes para poder sugerir produtinhos. Daí colocava numa embalagem, a pessoa voltava para ficar no salão e eu buscava a próxima.
A troca dos presentes foi a parte mais divertida, rimos pacas.
Presentes entregues, ainda ficamos um bom tempo falando sobre assuntos básicos de mulher.

O evento no Tamboré também foi muito bacana, quem agitou o encontro tem uma empresa de dietas personalizadas, no caso, de detox. Além da Fabi ser nutricionista, é também chef, então é ela quem prepara todas as refeições diárias das clientes, estas por sua vez, recebem diariamente todas as porções prontas e os horários que precisam se alimentar com cada uma. E ela acompanha a perda de peso ou ganho de massa. Achei este serviço fantástico!
Daí ela convidou as clientes para uma confraternização de final de ano com direito a muitos espumantes e aperitivos lights e saborosos, este encontro aconteceu na casa dela.
Ela soube que estou vendendo os produtos eróticos para a mulherada e me convidou. A Fê foi comigo, óbvio. Chegamos às 13hs e pouco, as convidadas foram chegando aos poucos. Eram quase 17hs, nossos produtos estavam expostos em uma mesa, e nós conversando com um grupo de mulheres. Numa hora, discretamente, comentei com ela que achava que não venderíamos nada, mas que tudo bem, pelo menos estávamos nos divertindo e bebendo espumante numa bela tarde de quinta-feira. Até que a Fabi me pediu para ir apresentar os produtos, e depois de só-Deus-sabe quantas taças de espumante que bebi já me sentindo em casa, pisquei para a Fê e fui.
Explicava sobre um produto e logo ouvia: "eu quero um desse!", "eu também!".
E eu que achava que não venderíamos nada, modéstia a parte, foi um sucesso!

Fomos embora às 20hs e tanto, e só não ficamos mais porque eu tinha combinado com o João que jantaríamos num lugar especial para comemorarmos nosso ano, quando liguei para avisar que já estávamos quase indo embora do evento, ele até me perguntou se eu preferia deixar o jantar para a noite seguinte, mas estava tão empolgada que, mais do que nunca queria comemorar.
Chegamos em São Paulo quando eram quase 21h30. Me despedi da Fê, troquei de roupa e fomos jantar, queríamos ir em algum restaurante bacana que ainda não conhecêssemos, decidimos então conferir o Coco Bambu.
Eu estava faminta, apesar de ter comido alguns quitutes ótimos durante o evento, eram todos lights e minhas lombrigas não estão acostumadas com comidinhas leves demais. Como manter asbanha?

O Coco Bambu foi uma escolha perfeita! E ainda tivemos sorte, pois não estava lotado e conseguimos sentar no terraço. Pedimos uma porção de polentas com alecrim enquanto decidíamos o prato principal. Brindamos com vinho. O pão de queijo do couvert estava com sabor de requentado, mas ok. Todas ( ou quase todas ) as opções de pratos são para duas pessoas, mas quando o qual pedimos chegou, vimos que serve três e olha que nós dois comemos muito bem! Pedimos o prato Camarão ao Coco ( camarões com molho a base de coco, gratinado com queijo coalho, servido com purê de abóbora e arroz com castanha ). Peeense no quanto é bom!!
A sobremesa ficou para a próxima vez, pois não aguentávamos nem mais um grão de arroz.
E gostamos tanto que o João já combinou com um casal de amigos para irmos em janeiro.

Foi um jantar romântico e especial! ♥

No mais, ontem fiquei quase o dia todo na piscina com a Fê e mais algumas amigas do prédio. Depois de tanto tempo trabalhando intensamente, foi até estranho não fazer ~nada~ em plena sexta-feira, mas é tão bom ficar que nem lagartixa na piscina sabendo que a missão foi cumprida!

E hoje o dia já amanheceu lindo! Já tô com biquíni e a piscina me aguarda! :)

Boa última sexta-feira de 2013!



 
        

domingo, 15 de dezembro de 2013

Oi!!

Nem acredito que consegui sentar e colocar em dia as notícias por aqui. As últimas semanas foram phodas - no melhor sentido que esta palavra possa significar. Muito trabalho graças à Deus e apesar das consequências, como poucas horas de sono e asbanha crescendo graças ao fast food diário, eu e a Fê não podemos reclamar.
Os últimos dois finais de semana foram minha despedida nas picapes neste ano. Toquei no dia 30 em Bauru, na 212 Club, e no dia 07 toquei em Itapeva, na Villa Victoria Music. Duas baladas bem bacanas!

Fora isso, realizamos mais uma despedida de solteira e oito eventos fechados para a venda dos produtos eróticos em apenas duas semanas. Quem quiser agitar um evento fechado com as amigas, divulgarei mais infos ainda nesta semana, pois já estamos fechando nossa agenda de janeiro.
Estaremos de recesso dos dias 29 ao 05, mas na segunda (06) já começamos nossa batalha de 2014.

Ontem passamos a tarde toda no salão Mega Hair em Moema vendendo os produtinhos, ficamos das 13 às 19hs e foi um loucura. As mulheres estão aprovando muito este nosso trabalho. É tão bom agregar valor na vida sexual das pessoas! rs.

Só não temos fechado mais eventos desse tipo, pois nosso outro filhote tem exigido muito tempo e nós não temos coragem de abandoná-lo, mesmo sabendo que se focássemos nos produtos eróticos, seria racionalmente e financeiramente pensando, muito melhor.

Passei o dia todo com apenas duas bisnaguinhas e café com leite no estômago, pois não tivemos tempo de almoçar. Com a agitação no salão a fome não bateu, mas quando saímos de lá e a adrenalina abaixou, nossa, fomos direto para o Croasonho, o local mais próximo de onde estávamos e nos entupimos de croassant recheado. Cometi a maior gordice da semana, mas o croassant com brigadeiro de panela é de comer rezando.

A única coisa que fiz desde o último post além de trabalhar foi ter ido com o João na terça retrasada ao Kinoplex porque fazia tempo que não íamos ao cinema. Vimos o ´Crô´, mas pensei que daria boas gargalhadas, o que não foi o caso. Ah, também fomos jantar duas noites no Paris 6. E só.

Na quarta e na sexta, foram nossas despedidas do trabalho de branco, últimos atendimentos abertos à assistência no centro. Agora só em janeiro. Vou sentir falta de cambonar e de aprender com os guias!
Na próxima quarta, terá um trabalho apenas para os médiuns e então estaremos de férias.
 É difícil não se apegar às pessoas que buscam ajuda espiritual, pois todas chegam com dor, seja física, seja emocional. Cambonando, ouço os desabafos das pessoas que conversam com o guia que estou auxiliando, mas não posso comentar com ninguém, nem com o João. Um cambono não comenta com outro sobre o que ouviu, temos esta ética. Podemos ouvir a coisa mais absurda, mas fica com a gente. Ouvimos os dois lados: os segredos e desabafos da pessoa que está sendo assistida e os conselhos do guia. E aprendemos demais!
Uma das coisas que aprendi e que levarei para o resto da minha vida é que não podemos julgar as dores. Não podemos ouvir o que causa dor na pessoa e julgar do tipo: "que besteira, a pessoa sofre só por isso?". Dor é dor. Cada um carrega a sua. 
Não posso dizer que a minha dor é menor ou maior que a sua que está me lendo agora.
E eu digo que aprendi porque já julguei muito, eu já disse ou pensei: "que besteira, a pessoa sofre só por isso?".
  
E ouvindo os relatos dos assistidos, aprendi muito com as dores deles e principalmente a não julgá-las. Já vi gente se acabando de chorar porque teve o carro roubado e já vi uma mãe que teve um filho que desencarnou num acidente uma semana antes, firme e forte, pedindo apenas ao guia para que o filho fizesse a passagem tranquilamente, pedindo auxilio espiritual para que cuidassem dele onde quer que ele estivesse. E o fato de não ter chorado não quer dizer que não estivesse sofrendo. A dor estava ali, mas a fé era ainda maior.

O cambono aprende mais do que o médium que está incorporado. Sei que um dia precisarei parar de cambonar para dar passe-consulta incorporada com algum guia, mas até lá, continuarei tendo meus aprendizados necessários.

Bom, já são quase 3hs e tô quase dormindo no teclado. Hoje já é domingo, dia de folga! o/
Espero que tenha sol para ficar que nem lagartixa na piscina até o comecinho da tarde, pois temos um churrasco para ir. Preciso descansar um pouquinho para encarar mais uma semana!

Bom domingo e até!!






terça-feira, 26 de novembro de 2013

Finde

Semana passada foi tão intensa que no domingo, quando deitei na cama e a adrenalina abaixou, não dormi, acho que morri e ressuscitei.
Durante cinco dias consecutivos, de segunda a sexta, dormi quatro horas por dia. Virou algo normal ir dormir às 4hs para às 8 e pouco estar novamente de pé. E o pior é que não era insônia. Para me manter acordada, foram latas de energético e cápsulas de ristretto. Uma mistureba total.
Fora que por conta da ansiedade, cometi diversas gordices durante todas as madrugadas.

Precisei me preparar para tocar na festa de casamento no sábado. Não seria a primeira vez numa festa assim, mas nas outras vezes havia sido uma mera DJ convidada. Desta vez, era a responsável por toda a festa, ou seja, tocar no mínimo 5 horas seguidas. E por conta disso, precisei baixar centenas de músicas, ouvi-las, gravá-las em cds, testar se estavam ok no equipamento e por fim, treinar a mixagem entre elas.

Como não quis atrapalhar o trabalho com a Fê, então me restava apenas o finalzinho da noite e a madrugada para focar nas músicas. Esperava a novela acabar ( virei noveleira novamente graças ao Félix! ) e todo o processo para ter mais músicas, começava.
Por sorte nenhum vizinho reclamou do som que, mesmo não estando tão alto, era o suficiente para incomodar em madrugadas alheias. Mas não tinha outra opção.

Ok, até tinha, mas em semana de finalização da campanha de natal, não poderia deixar a Fê na loucura sozinha.   

Dividi a tarefa em estilos: nacionais, flashback, pop, trash, eletrohouse, eletrônica, funk, samba...
E fiz boas descobertas em todos os gêneros musicais.

Tive toda a liberdade para escolher as músicas que bem quisesse, o que foi ótimo, pois aproveitei para colocar músicas que amo e que nunca tinha tido oportunidade de tocá-las. Músicas que fizeram parte da minha adolescência ou da minha época de baladeira, aquelas que adorava que tocassem quando era eu quem estava na pista.

No sábado, fomos no meio da tarde para a fazenda onde ocorreria a festa. A estrada de terra é bem chatinha e como estava chovendo, era lama para tudo quanto é lado. Uma beleza! Só que não.

Chegamos às 18hs e pouco. Nos arrumamos e a cerimônia começou, embaixo da garoa, pois o altar havia sido montado a céu aberto. A garoa não atrapalhou em nada, todos souberam lidar bem, principalmente o casal. Eram águas de Oxalá.

Foi a primeira vez que presenciamos um casamento da umbanda. E achei bem mais emocionante e bonito que um católico. Bem mais intenso, sem alguém pregando moralismos, apenas respeitando o livre-arbítrio. Cantamos para Oxum abençoar o casal. E foi de arrepiar...!

Depois da cerimônia, seguimos para a área coberta onde o jantar estava sendo servido. Esperei a maioria terminar de jantar e comecei a tocar. Eram 21h30 e a festa acabou quando eram 5hs e pouco.
A minha sorte é que fumar era liberado, então não passei vontade. E toda hora, alguém ia perguntar se eu queria beber ou comer algo.

Conhecia os noivos e metade dos convidados, o que me deixou ainda mais a vontade. Toquei sem parar, sem ver a hora passar. E foi recompensador ver a pista agitada por tantas horas, valeu a pena minhas poucas horas de descanso e a dedicação durante a semana. Não fui para a pista, mas me diverti horrores enquanto comandava o som.

Quando a festa acabou e as últimas pessoas que estavam na pista foram dormir, fui acordar o João que às 3hs e pouco, foi dormir no carro e pediu para que eu o acordasse quando acabasse para então pegarmos a estrada de volta. Mas esperamos amanhecer, seria aventura demais pegar aquela estrada de terra na escuridão. Ficamos conversando com as pessoas que, assim como nós, estavam esperando o céu clarear para pegarem a estrada, assim um seguia o outro e caso algum carro atolasse ( como aconteceu! ), ninguém estaria só.
No fim, saímos de lá quando já tinha amanhecido há um tempinho, eram quase 8h30, mas esperamos algumas pessoas que tinham ido dormir e que estavam acordando cedo para viajar.

Durante a viagem toda, dei boas pescadas, mas não consegui dormir, pois fiquei preocupada com o cansaço do João e precisava fazer companhia. Eu não poderia ajuda-lo na direção após devorar várias doses de vodka com morango.

Chegamos em casa quando era quase meio-dia, tomamos banho e apagamos. Quando finalmente consegui acordar, pensei que meu relógio tivesse tido um pane e estivesse louco, mas sim, já eram quase 20hs! Nem acreditei que dormimos literalmente o dia inteiro.

Assim que nos recuperamos de tantas horas de sono e sonhos, pedimos pizza. E enquanto esperávamos chegar, a Fê veio tomar um café comigo, pois precisávamos planejar a semana.

Pensa que depois de uma tarde toda, nós não conseguiríamos mais dormir? Que nada! Não era 1h e já estávamos na cama novamente.






  

domingo, 17 de novembro de 2013

Bom dia!

Duas semanas sem aparecer por aqui. Eita que blogueira desnaturada que me transformei!
Tantas coisas, mas tantas. E tudo tão rápido, intenso e num espaço tempo de curto.
E mais uma ano já está na reta final e deste não tenho do que reclamar. O que 2012 foi ruim, este está sendo doce.

Completei mais uma ano de vida e agora falta pouco para me tornar balzaca. DELS
Comemorei de uma maneira simples, mas bem gostosa. Tirei o dia para mim e o João me acompanhou neste dia de folga. Saímos para almoçar, tomamos sorvete, fomos ao shopping, enfim, foi um dia de mimos. E à noite, comemorei com minha turma de amigos num barzinho. Neste ano, meu aniversário caiu em plena segunda-feira, então comecei a semana AND meus 29 anos daqueeeele jeito, desopilando o fígado. Achei digno.

Ganhei de presente do João uma pulseira que nunca tinha ouvido falar, mas já tinha visto em alguns pulsos. Não sabia, porém, que tem nome, significado e que está na modinha. É a pulseira da marca Pandora. E através dos charms que colocamos nela, podemos mostrar quais são os nossos interesses, carregando no pulso pingentes com significados para nós. Adorei a ideia!

Na semana passada, passamos um dia em Sorocaba. Acordamos bem cedo, pois participaria ao vivo às 9hs do Breakfast na Rádio Ipanema. Considerando que fui dormir quase às 4hs, então quase estava virada. A entrevista foi até meio-dia.
Já tínhamos planejado que saindo de lá, passaríamos na padaria Real para almoçarmos e voltaríamos para São Paulo, pois tanto eu como o João tínhamos compromissos. Mas daí o pessoal do programa nos convidou para irmos almoçar com eles no Applebee´s que é um dos patrocinadores. Resolvemos ir. Liguei para a Fê para avisar que atrasaria, pois tinha avisado que estaria de volta no máximo às 14hs.

Almoçamos calmamente e papo vai, papo vem, fomos embora do Applebee´s quando já eram quase 15h30! Depois ainda passamos na padaria Real, não mais para almoçar, até mesmo por que no meu estômago não caberia nem um grão de arroz. Mesmo não conseguindo nem pensar em comer, fizemos quase uma compra do mês. Além da famosa e melhor coxinha do mundo, o que também vale a pena são os biscoitos de polvilho e as bisnaguinhas. E compramos muitas coxinhas congeladas para alegrar muitos lanchinhos da tarde.

Chegamos em São Paulo quando já eram 18 e pouco. Adorei ter passado um dia na minha terrinha! Já a Fê não gostou, mas compreendeu e compensei a ausência trabalhando à noite.

Os eventos que temos realizado para vendermos os produtos eróticos têm tomado bastante do nosso tempo, pois temos tido quase todos os dias. Mas tem valido muito a pena, pois além de vendermos pessoalmente, temos divulgado o site para as clientes. Com isso, nossas vendas virtuais também aumentaram. Além dos Chás Eróticos, continuamos indo em salões, uma estratégia que deu certo.
No sábado retrasado, passamos o dia inteiro no salão Encantos Visage. O dia estava lindo, mas abrir mão de sábados ensolarados faz parte. Falei para a Fê que se no domingo, ou seja, no dia seguinte, tivesse aquele sol todo, compensaríamos ficando o dia inteiro na piscina. E foi o que fizemos. Estávamos precisando tanto de um domingo inteiro na piscina!

Paralelamente aos produtos eróticos, nosso primeiro filhote que não tem nada a ver com Bruna, coisas eróticas e afins, também está nos surpreendendo. E com os dois negócios indo bem, nós estamos rindo à toa, mas em contrapartida, estamos nos acabando de tanto trabalhar. Estamos explorando dois nichos opostos, mas que com um pouquinho de inspiração e um tanto de dedicação, mais um bocado de sorte e boa vontade, estamos crescendo e superando nossas próprias expectativas.

Que assim continue! Batuquemos.


quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Salvador!

Com o Sr.Clarindo, um lindo do Pelourinho.
Nossa viagem a Salvador foi boa demais, aproveitamos mesmo com o clima desfavorável, o sol deu o ar da graça apenas no último dia. Estávamos precisando de dias assim.
Retornamos aos mesmos lugares que fomos no ano passado, as únicas diferenças é que conhecemos a Feira de Santo Antônio e na última noite jantamos em um lugar fantástico, o restaurante da Dadá.

Chegamos na terça, 15, no início da tarde. Resolvemos alugar um carro já no aeroporto, deixamos as malas no hotel e partimos para a igreja do Bonfim. Precisávamos fazer agradecimentos. E já que estávamos lá, aproveitei para fazer novos pedidos, amarrei uma fitinha na grade com os três desejos e outra coloquei no pulso. Quando chegamos, estava começando uma missa, mas não a acompanhamos. Fizemos comprinhas na mesma loja que fomos no ano passado e andamos na redondeza. Como estávamos com mais tempo, até sentamos num dos bancos da pracinha e ficamos papeando enquanto observávamos a paisagem. Estava bem cheio de turistas.

Voltamos para o hotel e descansamos um pouco. Estávamos esperando um casal de amigas que seria nossa companhia de aventuras por Salvador. Elas chegariam às 22hs, mas nos ligaram para avisar que por conta da chuva em São Paulo, o voo havia sido cancelado e tentariam sair mais tarde.
Fomos então jantar, a noite estava quente, saímos de carro em busca de algum lugar bacana para comer, mas quase todos os restaurantes da região já estavam fechados.
Vimos que tinham vários barzinhos que estavam abertos, então decidimos ir em um deles.
Foi assim que conhecemos o Habeas Copos, um boteco simples, mas bem gostoso. Atendimento ótimo. Sentamos em uma mesa que estava na calçada, bebi alguns chopes que estavam trincando e nos acabamos de tanto comer. Ficamos um tempão ali. Vida boa em Salvador, meu amor!

Na cidade do axé ( e não me refiro ao estilo musical ), as pessoas são felizes, sempre com um sorriso estampado no rosto. E acaba sendo contagiante.

Chegamos no hotel quando já era quase 1h, pois saímos do boteco e ficamos passeando sem rumo. Nossas amigas chegaram às 3hs e pouco, as encontramos e brindamos o início da nossa viagem. Fizemos planos para o dia seguinte, com chuva ou não. Ficamos papeando no quarto delas e quando fomos ver já eram 5 e tanto, nos despedimos e fomos dormir.

Às 9h30 estávamos no buffet do hotel. Tomamos um café-da-manhã reforçado com direito a tapiocas feitas na hora. Comi três, além dos pãezinhos e bolos.

Nossa primeira parada foi na feira de Santo Antônio, foi um passeio rápido, pois além de ter começado a chover, o cheiro forte e ruim de algumas barracas começou a nos incomodar. Fomos então para o Mercado Modelo, onde há uma infinidade de artesanatos, bebidas, doces, quitutes produzidos com o toque baiano. Eu, que gosto pouco dessas coisas, me faltou até mão para carregar tantas sacolinhas. Acabamos parando num dos botecos que existem lá para esperarmos a chuva diminuir, boa desculpa para beber alguns chopes. Eles pediram uma porção de lambreta para experimentar, nem me atrevi, achei um tanto estranho demais e fiquei com dó dos bichinhos.

Quando estávamos quase chegando no carro, resolvemos visitar a igreja Nossa Senhora da Conceição da Praia. Já disse, mas repito, não sou católica, mas sempre admirarei a arquitetura das igrejas.  

Seguimos então para o bairro Rio Vermelho para almoçarmos no Mercado do Peixe. Lugar ótimo para comer moqueca. O lugar não é um dos mais agradáveis, mas quando estivemos no ano passado, curtimos e resolvemos voltar. Há um estande ao lado do outro, difícil é escolher um dentre as opções, pois são todos praticamente iguais, que servem as mesmas refeições, com o mesmo valor, enfim, mas são concorrentes entre eles. O bacana deste lugar é que a gente faz o pedido e em seguida o funcionário sai para comprar o peixe fresco num galpão que há ali mesmo.
Com R$ 40 por pessoa, é possível se acabar de tanto comer moqueca feita com o maior capricho na hora. Vale a pena.

Saímos de lá quase rolando, ainda paramos em uma sorveteria que encontramos no meio do trajeto de volta. Como já eram quase 19hs quando chegamos no hotel e estávamos quase explodindo de tanto comer, resolvemos abortar os planos do jantar, então nos despedimos e marcamos um horário para o café-da-manhã. Só sei que dormi sem perceber enquanto assistia a novela, apaguei, acordei quando eram quase 2hs da manhã sem um pingo de sono. João dormia ao meu lado, comecei a assistir um filme qualquer e dormi novamente depois de um bom tempo.

Acordamos às 8h30, encontramos as meninas no restaurante, tomamos café-da-manhã reforçado e seguimos ao Pelourinho!

Ah, Pelourinho, como gosto deste lugar! Ficamos quase 5 horas, visitamos o Sr. Clarindo no restaurante Cantinho da Lua, ele se lembrou da gente e nos recebeu muito bem mais uma vez. Batemos papo com ele, depois ficamos passeando entre as ruas, visitamos várias lojinhas e gostei demais da Pau Brasilis, uma loja para turistas, mas com preços dignos, sem abusos. Comprei vários colares lindos por R$ 17 cada um. Super recomendo.

 O foco do dia foi o Pelourinho, tiramos o dia para isto e São Pedro nos presenteou com um dia lindo com sol forte.
Se você for para lá, não deixe de visitar o Sr. Clarindo e aproveite a visita para beber um drink que ele prepara: uma dose de Cravinho, limão e mel.
É muito amor, gente. E o abraço que ele dá?

Depois, fomos ver os Orixás no Dique do Tororó. Outro lugar que vale a pena conhecer e ir com tempo para dar uma volta a pé.

Por fim, fomos almoçar/jantar no restaurante da Dadá. Mais uma vez, comemos moqueca. Pedimos uma de peixe e outra de camarão. De entrada, casquinha de siri. O ambiente é rústico, mas super aconchegante. O valor é bem alto, mas vale.
Pirei na decoração. A foto de Iemanjá ( que publiquei no instagram ) é de lá.

Paramos numa doceria, mas já estava praticamente fechada, então compramos alguns docinhos e levamos para o hotel. Sentamos em uma das mesas na beira da piscina, a noite estava quente e deliciosa. Aproveitei para beber alguns bons drinks Alexander, ficamos batendo papo até o início da madrugada. Era a nossa noite de despedida de Salvador e das meninas que continuaram na cidade até a terça-feira seguinte.

Foram três dias que passaram rapidamente, mas pelo menos conseguimos fazer tudo o que queríamos! E foi tão bom!

Até breve, Salvador!

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Resumo da semana passada

Ô, semaninha agitada e cansativa!
A Fê chegou de Vitória na terça, após duas semanas descansando merecidamente. Para mim foi um grande alívio ela ter voltado, não apenas por conta do trabalho, mas porque estava morrendo de saudade. A gente até comentou recentemente que passamos mais tempo juntas do que com nossos respectivos maridos. Termos dois filhotes e morarmos no mesmo prédio, sendo que ela no andar bem abaixo do meu, colabora bastante para fazermos quase tudo juntas.
Como ela ficou em off de tudo, então assim que chegou, fomos tomar café para que eu passasse todo o relatório.
Na quarta, foi meu dia de branco, mas pude descansar mentalmente.
Na quinta, na parte da manhã, tive reunião ( aquela que comentei na semana passada ou retrasada num post, que me deixou ansiosa, pois finalmente me deram um sinal de vida ). Não foi a primeira reunião do fato, mas certamente foi a mais importante, pois conheci a dona da produtora, do projeto, enfim. No primeiro semestre do próximo ano, estarei presente na telinha de maneira indireta na série e direta num quadro de um programa juvenil!
Fugi tanto disso e disse várias vezes que jamais aceitaria trabalhar na tv, mas dessa vez não pude recusar. ( And, tá aí o segredo revelado! Você chutou errado! rs )
Voltei da reunião com vontade de falar pra Fê sairmos para bebemorar, mas responsáveis que somos, precisávamos trabalhar. E muito.

Na sexta, focamos nos detalhes finais para a despedida de solteira de sábado. No final da tarde, recebi uma notícia que me deixou bem triste: a Gabi Leite, fundadora da ONG Davida e da Daspu, desencarnou. Na última vez que nos encontramos, quando participamos juntas do programa do Roberto Justus, ela já estava lutando contra o câncer no pulmão. Foi uma mulher guerreira, que fez a diferença ao levantar uma bandeira linda. Tenho certeza que ela cumpriu com a missão e espero que tenha feito uma passagem tranquila.
Guardarei na lembrança nossos encontros, em especial quando fui conhecer o espaço da Daspu e depois ela me levou até um boteco na Lapa, onde ficamos até de madrugada conversando, apenas nós duas, e aprendi muito durante estas horas de papo. Tenho muita gratidão e respeito por ela.

No sábado, fomos almoçar feijoada porque o João comentou a semana toda que estava com vontade. Depois, fomos tomar sorvete no Fredíssimo e no caminho de volta, vimos que um lugar que estávamos de olho, já estava aberto. Durante algumas semanas, passamos na frente e estava com uma faixa assim: "Em breve, uma Brigaderia no bairro". Opa. Ficamos atentos.
Juramos que fosse uma loja da marca Brigaderia, mas nos decepcionamos assim que chegamos, pois não é. Por outro lado, achei ótimo que não seja, afinal está a poucos metros de casa, então não ia prestar... Já que estávamos lá, mesmo depois do sorvete, resolvemos experimentar, aproveitamos para tomar café. Brigadeiro não tem como ser ruim, ou tem? Mas não é um lugar que me deu vontade de voltar sempre, se é que me entende.

Voltamos para casa, falei com a Fê e combinamos o horário que iríamos para a despedida. Tínhamos que estar no local às 20h30, em Perdizes. Então precisávamos sair no máximo às 20hs para não nos atrasarmos, mas não estávamos contando que bem na hora estaria rolando uma procissão à Nossa Senhora bem na rua atrás da nossa. Tivemos que esperar acabar, chegamos quando eram quase 21hs, mas avisei o contratempo à amiga da noiva que nos contratou.

Quase ninguém da turma de amigas estava sabendo que eu participaria desta festa com elas, incluindo a noiva. Foi surpresa para todas, ainda bem que gostaram! Foi o segundo evento de despedida de solteira que realizamos e já temos mais um para o início de dezembro. Espero colaborar com vários outros, pois me divirto. Se os homens sempre se despedem da solteirice, acho digno que mulher também faça uma farra com as amigas!

Quando fomos embora, quase 2hs da manhã, a festa ainda não tinha acabado e só não ficamos mais porque no domingo, precisaríamos acordar cedo.

No domingo, rolou uma festa para as crianças no centro, tanto para os filhos dos médiuns, como dos da assistência. Também estávamos esperando receber crianças de um orfanato, mas a juíza não as liberou. Conseguimos emprestado um brinquedão de pular, escorregar, etc. Daí teve teatrinho infantil, espaço para arte, pinturas, desenhos. E muitas guloseimas!
Passamos o dia todo lá, acabou quando eram quase 19hs. Fomos direto para a casa da minha sogra, onde acabamos jantando.

No mais, daqui a pouco eu e o João vamos à Salvador! Ficaremos até sexta à tarde, pois à noite precisaremos estar em Sampa para um compromisso. No sábado logo cedo, vamos à Lajinha ( MG ), pois vou discotecar num festa universitária à noite. Voltamos para Sampa no domingo, daí provavelmente dormirei o dia todo. Na segunda, não tão cedo, mas de manhã vou para o Rio de Janeiro com a Fê, pois faremos um Chá Erótico com um grupo de meninas que nos contratou e voltamos à noite.

Ou seja, até terça ou quinta! ;)

Mas até conseguir aparecer aqui novamente, estarei presente no instagram e no twitter pessoal, ambos no @cantinhodaraq.

Se cuide. Axé e até.

    
 
  



   

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Finde

Este final de semana foi tão bom, pena que voou!
No sábado à tarde, fomos para mais um curso na Nespresso ( fizemos um na sexta ), saindo de lá, estávamos famintos, já eram quase 17hs, então resolvemos conhecer o Raízes de Minas, um restaurante mineiro que é bem antigo e sempre passamos na frente, faz parte do nosso caminho da roça. Até então nunca tínhamos ido porque o observando de fora, por conta da aparência, não dá muita vontade de entrar, sabe.
Resolvemos encarar e entrar... Tivemos uma grata surpresa. Beeem gostoso. Comida mineira não tem como ser ruim, ainda mais quando é feita no forno à lenha. Mas o atendimento foi ótimo mesmo com o fato de termos chegado num horário ingrato para quem trabalha num restaurante.
Comi arroz com tutu de feijão, couve, mandioca frita ( bem sequinha ), farofa e uma boa pimenta.
João pediu uma porção de carne seca e disse que foi uma das melhores que já provou.
De sobremesa, pedi doce de leite com uma fatia de queijo branco. A porção é generosa com muito doce no ponto certo. Aprovamos e nos arrependemos por não termos ido antes...

Depois de comermos tanto, João foi para a casa da mãe e eu fui para a toca pra dormir. Quando ele chegou, foi me fazer companhia embaixo do edredom. Acordamos às 20hs e nos arrumamos para o casamento de um casal de amigos. O padre foi para o bufê, fez o casório e depois já estávamos no ambiente da festa. Achei prático.
Reencontramos amigos em comum do casal que não víamos há bastante tempo. Quando a pista começou a esquentar, fomos dançar. Num certo momento, o DJ abaixou o som, ninguém entendeu nada, foi quando a bateria do Gaviões da Fiel invadiu a pista com samba. Foi uma surpresa até mesmo para o casal que é corintiano, a filha que armou tudo sem que eles desconfiassem.
Com samba ao vivo, a bateria ficou 45 minutos na pista. Até mesmo quem não samba, tipo eu, se divertiu horrores.

Depois, a noiva anunciou que jogaria o buquê e a mulherada solteira se juntou. Achei o buquê tão fofo e diferente com seis bonequinhos de pano do Santo Antônio. Sem pretensão alguma me uni à elas, fiquei bem atrás de todas e pasmem, o buquê caiu BEM nas minhas mãos! Não precisei nem sair do lugar para pegá-lo. Ninguém acreditou. Muito menos eu.
E assim, com seis bonequinhos do santo casamenteiro, João está amarrado em nome de Jesus! risos

A pista pegou novamente e ficamos dançando as músicas trashs que não podem faltar em festa de casamento, várias dos anos 80 ♥ e outras tantas de eletrohouse.
Foi tão bom poder dançar como se não houvesse o amanhã...!

Chegamos em casa quando eram quase 5hs.

No domingo, acordamos quando eram quase 13hs, nos arrumamos e fomos para um churrasco. Até que não estava com tanta ressaca, como imaginei que ficaria. Aproveitei para matar saudade da minha sogra, pois há mais de duas semanas que não a via, então colocamos o papo em dia.
Voltamos para casa quando eram quase 18hs. Ficamos jogando videogame juntos enquanto cometíamos várias gordices, dentre elas, fizemos o milk-shake de negresco com nespresso que aprendemos no curso.
Mais tarde, quando cansamos de jogar, resolvemos assistir um filme, a escolha foi difícil, mas no fim assistimos Patch Adams. Eu tinha visto na adolescência, mas não me lembrava muito bem.
A história é verídica e muito emocionante! 

Boa semana à todos e até!   

  

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Post GIGANTE

Semana passada foi PHODA, no melhor sentido que esta palavra possa significar.
A segunda-feira começou com uma reunião numa produtora e terminou com um show vip do CPM 22, na Mix TV, para a gravação do Grandes álbuns. Fomos no Jota Quest há um tempinho atrás, depois fomos convidados para o do Capital Inicial e do Marcelo D2, mas infelizmente não conseguimos ir, pois ambos shows ocorreram bem em uma quarta.

O CPM em minha vida...

Quando eu estava pela segunda vez no primeiro colegial, no Maria Imaculada, tinha uma grande amiga chamada Carol. Ela era bem nerd, punk com orgulho e filha de um pai japonês. Sentava na carteira bem atrás dela. Éramos opostas em tudo, mas nos entendíamos tão bem que era minha confidente da época.
Carol ia quase todos os sábados assistir show num tal de Hangar 110, no Bom Retiro. Lugar este que muitas bandas hoje conhecidas fizeram os primeiros shows, como por exemplo, o CPM 22.

E me lembro de quando ela me convidou para ir ao show desta banda. Obviamente não fui por n motivos.
Em 2008, recebi um e-mail da Carol, relembrando nossa amizade. Ela me contou todas as novidades, inclusive que já se tornara mãe.

Meses após ter sido convidada por Carol para conferir o show do CPM, a música Regina Let´s Go estourou nas rádios.

Em 2006, ao apresentar uma premiação no VMB, para qual banda entreguei o troféu? CPM 22.
Em 2011, na Fazenda, após uma atividade ganhamos um pocket show de qual banda? CPM 22.

Enfim, encontrei esta banda por acaso em momentos diferentes. E olha que nem sou uma fã alucinada, mas sempre curti o som dos caras, pelo menos. Imagina ter estes encontros casuais sem gostar?

E lá fomos nós para o show da Mix. Primeira fileira, bem de frente para o palco. O álbum escolhido foi o ´Chegou a hora de recomeçar´. ( A banda convidada para gravar canta apenas as músicas de um único álbum )
E o CPM 22 contou com a participação do guitarrista Phillipe da banda Dead Fish, que tocou a segunda guitarra durante todo o show.

Músicas como Desconfio, Dias Atrás, Não sei viver sem ter você, Ontem e Peter, me deixaram rouca ao cantar berrando junto. Até fiquei preocupada, pois no dia seguinte seria a gravação do Fritada, mas felizmente acordei com a voz normal...

Na terça-feira, fomos cedo no Tateno, um atacado de doces com preços baratíssimos. Precisávamos comprar doces para a festa de sexta. E já que estávamos lá e sou formiga, compramos doces para nossos momentos de gordice cometidos diariamente.  
Depois, fomos ao shopping para comprarmos cápsulas de café e eu pre-ci-sa-va de uma sandália preta nova. Por sorte encontrei uma logo na primeira loja que entramos, na Zara. Pretinha básica do jeito que gosto.

João me deixou em casa, me encontrei com a Fê, trabalhamos até às 16hs e então comecei a me arrumar, pois teria de estar no teatro às 18h30.

Eu estava ansiosa, tensa, com borboletinhas na barriga. Afinal, não é todo dia que sou Fritada por seis humoristas em um palco de teatro com uma plateia de quase 300 pessoas rindo de mim, né?
E ainda estava preocupada de não ter ninguém na plateia. Pior do que ter quase 300 pessoas rindo de mim, é não ter ninguém querendo me ver.

Fiquei escondidinha no camarim enquanto o pessoal chegava, faltando uns 15 minutos antes de ser anunciada pelo Diogo Portugal para entrar na área do teatro, fui fumar com a esposa dele no jardim da frente. Foi quando uma preocupação acabou: uma das organizadoras foi me contar que a plateia estava lotada. amém

Desci as escadas em direção ao palco já com a segurança necessária. Não tive tempo de assistir nenhum vídeo de outras fritadas, então tirei minhas próprias conclusões do que poderia acontecer ali, mas estava tranquila.

Quando recebi o convite, há mais de um mês, resolvi topar por dois motivos: o primeiro obviamente foi o cachê lindo que receberia para estar lá, e o segundo foi porque sempre soube levar na esportiva as piadas prontas ( ou não ) relacionadas à minha criatura ou à mim.
É saudável sabermos rir de nós mesmos, não?

E foi o que aconteceu: ri tanto quanto à plateia. Nos bastidores, já tinha conversado com todos humoristas enquanto nos arrumávamos. Já conhecia o Rabin, pois temos um amigo em comum, então nos encontramos em alguns churrascos. O fato de ter passado tanto tempo juntos nos bastidores, fez com que todas as sensações ruins tenham ido embora. Eu não estava indo para uma ~guerra~, mas para ser o principal foco de boas risadas.

O resultado dessa Fritada será exibida no Multishow em outubro.

Fomos embora quando era quase meia-noite. Foi mais uma experiência diferente que valeu a pena!
Fui com a Fê e a Marcela, num barzinho perto de casa para conversarmos e bebermos. E no meio do nosso papo, tivemos que encarar uma situação bem patética de um ser machista. ( assunto para um outro post )

Na quarta-feira, logo cedo, a Fê foi passar alguns dias em Vitória para matar saudade da família. Como passarei alguns dias em Salvador em breve, então nada mais justo dela ter alguns dias de descanso na terra natal. Direitos iguais.
Na parte da manhã, trabalhei um pouco antes de me preparar para mais um dia de branco.
Logo no início do trabalho, quando as pessoas que seriam assistidas começaram a chegar, recebemos uma notícia que deixou toda a equipe dos médiuns bem triste. Um rapaz que foi algumas quartas tomar passe com os guias e em busca de forças espirituais, faleceu no dia 13. Bem que estranhei que ele sumiu do nada, após ir várias quartas consecutivas. A senhora que cuidava dele, nos deu a notícia.
Ele era HIV positivo e se isso não bastasse, ainda lutava contra um câncer. Acabou desistindo da luta, se entregou e cometeu suicídio.
Falei pouco com ele, mas me lembro bem das vezes que esteve lá. Em uma das primeiras vezes, passou na cromoterapia, onde frequentemente tenho auxiliado o médium responsável por este trabalho. Querendo ou não, a gente se apega aos assistidos e uma notícia como esta, nos abala.

A quinta-feira foi uma loucura. Além de estar sem a Fê presente, tudo resolveu acontecer no mesmo dia, mas no fim deu tudo certo. Para compensar o fato de não conseguir almoçar, meu lanchinho da tarde foi quase um pote inteiro de Tablito em massa que a Kibon lançou. E eu disse "foi quase" porque fui boazinha e deixei duas colheradas para o João experimentar.
No meio de tudo, recebi um e-mail que estava esperando há quase um mês. E marcamos uma reunião para esta próxima quinta. Torcendo desde já.
Quando cheguei em casa, fiquei até o começo da madrugada, buscando e baixando músicas novas.

Já a sexta-feira foi dedicada também ao trabalho branco. Fomos ajudar a organizar e decorar a festa de Cosme e Damião do centro para receber "as nossas criancinhas!". A doçura dos erês é contagiante.
Enchi mais de 50 bexigas e descobri que mesmo sendo fumante há quase uma década e meia, ainda tenho fôlego. O mais difícil foi ficar dando nó, pois como minhas unhas estão compridas, fiquei com medo de estourar. Algo que aconteceu com apenas uma bexiguinha.
Por falar em unhas, uma delas resolveu quebrar ontem no meio da loucura. Estava sem tempo para ir ao salão e decidi resolver por conta própria, então joguei no Google: como colar unha quebrada.
Assisti um dos vídeos e vi que precisava apenas de: super bonder + um pedaço de papel higiênico + lixa + muita calma e atenção para não colar os dedos.
Saí para comprar o bonder e foi quando fiz a descoberta do Tablito em massa. Voltei e em menos de 5 minutos estava com a unha bonitinha novamente.
E só de pensar que já tive ataques de nervos com váááárias unhas quebradas sem saber deste truque...!  

A festa foi linda, cheia de doces, erês e de crianças. Além da energia linda!
Minha erê se acabou de tanto comer, era maria-mole em uma mão, suspiro em outra, pirulito na boca. E o desespero para comer rápido pra pegar mais? Fora os marshmallows que eu odeio, mas pelo jeito ela ama. E adorou a boneca que comprei de manhã para ela, é uma tal Dora ( de algum desenho em canal fechado que nunca tinha ouvido falar ).

E assim, minha semana encerrou com muita doçura na vida! :)

No sábado, acordamos tarde porque chegamos quando eram quase 2hs e ainda enrolamos para dormir. Já era quase meio-dia, tomamos café-da-manhã em casa mesmo e mais tarde, saímos para almoçar dignamente em um restaurante na esquina de casa.
Passei o dia à toa, a única coisa de útil mesmo que fiz foi treinar mixagem.
Assisti o programa do Luciano Huck que há tempos não assistia e chorei com um quadro que ele ajudou um senhor que sobrevive vendendo pães artesanais.
Eram 19 e pouco, resolvemos dormir um pouco para aguentarmos a viagem e madrugada acordados.
Levantamos às 22hs e nos arrumamos para esperarmos o motorista que nos levaria.

Chegamos em Campinas em 45 minutos. Fizemos um bate-volta: toquei na balada Sonique e depois já voltamos para a toca.
Uma das baladas mais bonitas que já vi!
Assumi o som das 2hs às 3h30, depois tirei foto com o pessoal.
Antes de ir embora e pegar a estrada de volta, fui ao banheiro e quando estava saindo quase fui atingida com vômito de uma menina que estava passando mal, mas foi muito quase.

Chegamos em casa às 6hs e pouco, nosso retorno foi tão rápido quanto.

E o domingo foi dedicado exclusivamente a curtir uma boa preguicite aguda. Acordamos quando eram quase 14hs, saímos para alimentar as lombrigas e na volta, até tentamos ficar assistindo televisão na sala, mas a cama nos chamou e voltamos para ela. Acordamos novamente quando já eram 18h30! Mas estávamos precisando colocar o sono em dia.
Pedimos pizza e a devoramos tomando vinho.
Mesmo com o fato de ter dormido o dia todo, ainda estava com sono, então não tive insônia.
Assisti a final da Fazenda. Quase não acompanhei esta edição, mas estava torcendo para quem teve o final feliz!

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Fritada



É hoje! Tô divulgando em cima da hora, mas quem quiser ir, ainda dá tempo de garantir o ingresso e ir me ver ser fritada por humoristas no palco. E quem não puder ir, poderá assistir depois no Multishow!  
 
 
 
 

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Lovelace

 
Fui assistir Lovelace sabendo pouco sobre a garota que provocou uma revolução sexual nos anos 70 ao protagonizar o Garganta Profunda.
 
Assim que recebi o convite da Paris Filmes para conferir este filme biográfico, fiquei com vontade de pesquisar sobre a vida da atriz pornô mais conhecida dos Estados Unidos. Afinal quem é Linda Lovelace?
 
Decidi por fim não pesquisar sobre, pois preferi descobrir e responder a pergunta acima com o filme, sem estar influenciada por textos na internet para justamente fazer esta descoberta diante da telona.  
Fui curiosa e sem criar expectativas. Quando o filme acabou, respirei fundo, enxuguei as lágrimas e precisei de alguns segundos para me recuperar. Passei o restante do dia pensando sobre a história e me lamentei por Linda já não ser mais viva, pois certamente mandaria um e-mail a ela, com confidências, elogios e deixando claro que acabara de ganhar mais uma admiradora.
 
Lovelace mexe com vários sentimentos do espectador. Impossível não sentir as dores físicas e psicológicas de Linda. As cenas quentes tornam-se apenas detalhes, por isso não pense que se excitará com os momentos da garganta profunda. Mas, tenho certeza que você sairá do cinema julgando menos a vida dos outros.
 
O ápice da história é quando a realidade é mostrada, como se de repente como espectador, tenhamos ganhado o poder de invadir o interior mais profundo de Linda, e pudéssemos então entender o que se passava com esta jovem. Não, nada estava tão bem quanto parecia estar. Daí em diante, nossa visão e os sentimentos são rapidamente substituídos.
 
As mulheres se identificarão nos primeiros momentos do filme, afinal qual nunca se apaixonou por algum cara no estilo do Chucky? Um príncipe nos primeiros encontros, que abre a porta do carro e nos faz acreditar que é o homem da nossa vida, mas que em pouco tempo de relacionamento, fecha a porta de nossos sonhos femininos mais íntimos. Me identifiquei com a falta de apoio dos pais conservadores e também tive uma amiga-irmã como a Patsy.
 
Quando Chucky apanhou merecidamente com cintadas, assumo que dei uma risadinha sarcástica. E no momento que Linda teve oportunidade de pedir socorro aos policiais, senti uma leve revolta por ter decidido proteger seu amado agressor. Aliás, nesta cena podemos perceber que a mulher que sofre violências domésticas, não busca ajuda por acreditar que merece viver a situação e acredita que o vilão se tornará mocinho a qualquer momento. E quantas mulheres não se anulam para se dedicar apenas à vida do homem que ama?
 
Por muitos anos, ela foi marionete do próprio marido. Não sentiu prazer ao fazer a famosa Garganta profunda, quanto menos buscou desfrutar os holofotes da fama.
 
Não sei se teria força e coragem para viver tantas situações estando obrigada, pois o principal ponto que nos diferencia é que minha aventura sexual foi por livre e espontânea vontade.  
 
Além de a história mexer com o espectador, achei o filme muito bem feito, instigante e a trilha sonora é a cereja. E uma boa surpresa foi não ter reconhecido Sharon Stone.
 
Na cena final, é impossível não chorar ou no mínimo se emocionar com o desfecho. No meu caso, minha emoção foi dobrada porque foi no momento que mais me coloquei no lugar de Linda. Ela conseguiu receber os abraços que busco até hoje.         
 
Por fim, Linda foi considerada como diva, mas sem ter o direito de desfrutar os prazeres da vida.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Não sei dizer o que tem me deixado mais feliz ultimamente, só sei que é muita emoção para meu pequeno coração. A semana passada foi cheia de bons momentos que me fizeram sorrir ao ter certeza que fiz boas escolhas, me tornando ainda mais grata por tudo e todos que estão comigo nesta caminhada.

Foi uma semana que eu e a Fê quase piramos, trabalhamos a beça, dormimos pouco para dar conta do recado. No sábado, nosso brinde à beira da piscina ( foto no instagram ) foi merecido. Ficamos que nem lagartixa o dia todo, com direito a insolação, mas ok. O que importa é que matei saudade das marquinhas de biquíni depois de tantos meses e as banhas ficaram torradas. Por falar nelas, neste último mês em especial, abusei demais da boa vontade do estômago. Tô comendo mais do que nunca e não é gula, não, é fome mesmo, sabe.    

E no meio desta fase boa, eu e o João decidimos passar alguns dias em Salvador, em outubro. Ontem compramos as passagens, reservamos hotel, enfim está tudo certo para passarmos quatro dias na terra do axé ( não me refiro ao estilo musical, neste caso ). Faremos os mesmos passeios e esperamos rever o Sr. Clarindo, no Pelourinho. Tô contando os dias desde já!

Ah, não divulguei, mas na sexta retrasada, 06, participei do programa Dark Room, na rádio 89,1 FM. Parecia bate-papo no boteco entre amigos, ri muito com os meninos. Além disso, pude conhecer melhor a Geisy Arruda e ter uma opinião mais concreta dela já que tinha a visto apenas uma vez num dos ensaios da Águia de Ouro. Ela é uma menina, merece onde está, soube fazer uma limonada geladíssima. E beijo pros recalcados!

No mais, ainda é cedo para comentar sobre a série na Fox e outras cositas más. Em 9 anos, aprendi que surpreender é mais gostoso, enfim. (risos)

Até.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Finde

No sábado, para a minha própria surpresa, acordei um pouco antes das 10hs, sem despertador e sem sono, sendo que fomos dormir quando eram quase 5hs. Levantei, me arrumei e acordei o João, mas ele preferiu ficar dormindo um pouco mais. Interfonei para a Fê e combinamos de tomar o café-da-manhã juntas, convidamos a Lu que mora no prédio também, nos encontramos na recepção e fomos para o Bagel Factory ( uma fabriquinha de bagels ).

Em seguida, fomos para o barzinho onde o João e o marido da Fê já estavam com a turma de amigos. A intenção era apenas almoçarmos e irmos embora, mas daí chegou a Syl e depois foi chegando mais gente. Papo vai, papo vem, acabamos ficando o dia TODO no bar, fomos embora quando fechou, às 18hs. O ~problema~ foi porque surgiu na mesa suco de cranberry para misturarmos com vodka, daí minha amiga, esqueci da vida.

Enfim, nós tínhamos que trabalhar pelo menos um pouco: catalogar produtos novos que chegaram na sexta. Mas não tínhamos condição num primeiro momento, resolvemos então que o melhor seria dormir um tanto e nos encontrarmos mais tarde. E assim fizemos, vim para casa e apaguei, às 21h30 a Fê chegou.

Respiramos e nos jogamos nas planilhas, produtos e número. Acabamos quando eram quase 1h. João que foi assistir televisão no quarto, já estava no décimo quinto sonho. Como nós duas estávamos sem um pingo de sono porque dormimos depois do bar, então resolvemos adiantar o que faríamos no domingo de manhã: palha italiana.

Não sei fazer arroz, feijão, etc. e tal, mas faço um brigadeiro de nutella dos deuses, pão de mel de comer rezando e a palha italiana que faz o maior sucesso. Nhac!

No domingo, tínhamos chá de bebê de uma amiga do centro. Como o plano A não deu certo porque a doceria onde compraríamos as coisinhas não abriu por ser feriado, então resolvi fazer as palhas para levarmos. Eu e a Fê queríamos estar na balada em plena madrugada de um belo sábado, mas ficamos quebrando 4 pacotes de biscoito maisena - o primeiro passo para a produção das palhas.
Terminamos de passar a última palhinha no açúcar às 3 e tanto.

Mas foi tão bacana porque passamos o dia todo juntas desde o café-da-manhã e conversamos sobre trabalho apenas por 2 horas enquanto registrávamos os produtos. Nós até comentamos que nesta última semana, por mais que tenhamos passado todos os dias juntas ( exceto na quarta ), não falamos sobre outra coisa que não trabalho. Então estávamos precisando de papo de amigas!

No domingo, eu e o João fomos tomar café-da-manhã na padoca e depois fomos para o lugar onde aconteceria o chá de bebê mais tarde, pois combinamos com um pessoal de ajudarmos na organização e decoração para poupar nossa amiga que está a apenas duas semanas para a chegada da filha. A barriga está gigante e linda!

O chá de bebê foi uma delícia, energia boa e como conhecíamos quase todos que estavam presentes, então estávamos entre bons amigos. A tarde estava deliciosa com muito calor e para fechar, a noite surgiu com uma lua linda!

Saímos de lá e fomos direto para o teatro, pois era o último dia da peça Entre ruínas quase nada que nosso amigo Filipe ( o aniversariante que fomos na festa surpresa há alguns sábados atrás ) dirigiu.
A peça é diferente de tudo o que já vi, pois o grupo de espectadores não fica sentadinho nas cadeiras da plateia. Ela acontece em diferentes ambientes e vamos acompanhando o elenco, por isso que o grupo precisa ser pequeno, no máximo com 30 pessoas.
E o valor do ingresso é consciente: cada um paga quanto quiser ou puder.
Esta primeira temporada ocorreu no teatro abandonado ( em ruínas ) da Casa do Povo.  

Vou copiar o texto do flyer que está explicando sobre a peça:

"A primeira imagem eram dois seres fantásticos gargalhando da nossa existência. O bufão era a forma encontrada para o nosso riso. Slavoj Zizek trouxe essa imagem para um lugar perigosamente perto de todos nós: real, vizinho e imediato. Visitamos espaços abandonados e nosso primeiro fracasso: o abandono real era inabitável. Visitamos o inferno de Dante, Shakespeare, Borges, cartas suicidas, personagens vivos e mortos. Visitamos as ruínas de Manoel de Barros.
De repente o abandono, a ruína, a sujeira, os pombos e ratos começaram a ficar poeticamente atraentes. De repente, os alagamento, esgotos, a escuridão. Desistir parecia ser uma opção real.
Criação tem dessas coisas, muitas vezes precisamos sangrar o erro.
Mas as ruas explodiram em junho e vários ensaios foram cancelados, ou transferidos para o asfalto, não importa. No meio do caminho nos perdemos, pra onde ir quando não há mais desejo?
Será que ainda seríamos capazes de sonhar com outras possibilidades de agir?
Entre ruínas, colecionamos desistências diárias.
Quase nada nos restava senão abandonarmos as nossas convicções.
Para ouvir algumas histórias é preciso coragem. Para habitar algumas ruínas é preciso antes, construí-las."
(Filipe Brancalião e Jucca Rodrigues)
       
Saímos da Casa do Povo quando eram 20h30, estávamos tão cansados que desistimos de jantar em algum restaurante como tínhamos combinado a caminho da peça. Paramos no Dib, compramos algumas esfihas e trouxemos para comer em casa. Enquanto assistíamos Fantástico, jantamos e nos preparamos para dormir. Não era meia-noite e já estávamos na cama.  

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Enfim, setembro! :)

Ufa! Agora já posso confirmar que este foi o primeiro agosto da minha vida que passei totalmente ilesa de qualquer coisa ruim! Acho digno comemorar este fato.

Esta última semana resumiu a muito trabalho e gordices.
Na terça-feira, eu e o João fomos finalmente conferir a peça teatral Terça Insana e prestigiar nosso amigo Sidney Rodrigues ( ator que atuou no meu filme no papel de um dos clientes ).
Estacionamos em uma vaga ótima e logo surgiu um senhor do nada perguntando se poderia tomar conta do carro em troca de um ~café~. Achei ele tão carismático e com energia boa que quando me pediu um cigarro, dei o maço todo que estava quase cheio. Até o João estranhou minha atitude.
Normalmente, quem aborda para tomar conta do carro, é folgado demais. Chega de uma maneira grosseira, sem educação, parece que tá fazendo um grande favor, e AI se dissermos que não queremos que tomem conta, podemos esperar algum risco no carro ou alguma estupidez na volta.

Chegamos no Teatro Itália ( que fica no subsolo do Edifício Itália, no centrão de São Paulo ) faltando quase meia hora para o início. Tinha uma fila considerável para comprar os ingressos, mas não precisamos encará-la. Há poucas e boas vantagens em não ser anônima. risos

Fomos na cafeteria. Não tinha nenhum salgado para enganar nossa fome.
Ficamos sentados em um lugar muito bom da platéia, na fileira H.

Chorei de rir logo na primeira esquete, que mostrou qual é a visão do primeiro encontro segundo uma mulher e segundo um homem. Visões completamente diferentes: o homem faz pouco caso de tudo enquanto para a mulher, tudo é o máximo. Quem interpretou o casal foi o Sidney e a Greice ( criadora desta peça de humor ).

A segunda esquete foi com a personagem Piradinha que chegou dançando a música com o mesmo nome e arrasou. Depois foi a vez do Fernando Beatbox que não apresentou nada de humor, mas que deixou a platéia paralisada com os sons que faz com a boca.
O Sidney também interpretou o Guru Astrogildo e a Tia Help. As outras esquetes foram com a Poliana, Mulher Limão e Branca de Neve.
E quando acabou, minha barriga doía de tanto rir.
Por fim, Silvetty Montilla surgiu para interagir e causar com a platéia. Quando nos encontramos no final da peça, ela se lembrou que nos conhecemos em uma balada no Maranhão.

Neste ano, o Terça Insana completou 12 anos. E daí fui embora me perguntando como que fiquei tantos anos sem conferir este trabalho. Já assisti algumas esquetes no youtube ( Seu merda é bom demais! ), mas ao vivo é outra coisa, né?

***
No sábado, acordamos às 10h30, nos arrumamos e fomos em busca de algum buffet de café-da-manhã, pois como pegaríamos estrada no meio da tarde, precisávamos tomar um café reforçado para substituir o almoço também. Fomos experimentar o café-da-manhã no Lá da Venda, onde fomos muito durante a época que estava fazendo curso de DJ na Beatmasters.
Como enjoamos de tanto ir, pois o cardápio é enxuto, experimentamos e repetimos todas as opções, então fazia um bom tempo que não íamos.
Não vá com muita fome, pois a quantidade de qualquer opção é bem pequena. Recomendo demais o quibe de abóbora. >3
O ambiente é super gostoso, com clima de casa de interior. Na frente há uma loja com várias coisinhas bacanas produzidas por artesãos de várias regiões do Brasil. Vale a pena dar uma garimpada.
Se você gosta de pão de queijo, pre-ci-sa experimentar o de lá, que é de queijo da Serra da Canastra. A unidade é bem grande, mas não é enganação: tem mais gosto de queijo do que de farinha com fermento.

Eu esperava mais do buffet do café-da-manhã. Custa R$ 33 por pessoa e há poucas opções de quitutes. Em compensação, tudo é bem caseiro e tudo o que comi estava bom demais. Há três opções de geléia, duas de pão ( o de minuto é delicioso ), três de bolo ( o de fubá com goiabada é muito amor ) e mais algumas poucas coisas. Ah, e o pão de queijo que não poderia faltar!
Me acabei com o suco orgânico de tangerina que peço todas as vezes que vamos.
Voltaremos um outro dia para ter uma segunda opinião, quem sabe não tenham mais opções?
Talvez a culpa seja nossa, pois o buffet é servido até às 12h15 e chegamos lá às 11h40, faltando pouco tempo para encerrarem o serviço.

De qualquer maneira, já combinei com o João que quero ir em breve para matar saudade do quibe de abóbora.

Demos uma passada no shopping e depois fomos para casa pra organizarmos o que levaríamos para a viagem. Fomos para uma festa numa fazenda dentro da reserva florestal em Juquitiba.
Para chegar lá, foi muito cansativo, são quase 10km de estrada de terra bem ruim, cheia de buracos e pedras. Para entrar na reserva rola toda uma burocracia necessária, um guarda florestal pega os dados de quem entrará lá. Na saída, pode acontecer dele revistar o carro, pois não pode tirar sequer alguma florzinha.

O cansaço da viagem e o tempo de espera da burocracia, é logo recompensado com a vista e com a beleza de estar no meio do mato, da natureza. Festa boa demais em um lugar lindo. Acabou quando eram quase 6hs. Ficamos do começo até o fim. E como estávamos entre amigos ( nossa turma que trabalha de branco no centro ), então não tinha como ser ruim. Mais do que curtir a festa, renovamos as energias para começarmos setembro!











terça-feira, 27 de agosto de 2013

Boa noite!

E a última semana de agosto começou do jeitinho que gosto e promete ser boa!
O dia começou cedo, pois tive apenas a manhã e o início da tarde para render no trabalho. Almocei rapidinho e às 15hs já estava na TV Gazeta para gravar o programa A máquina apresentado por Fabrício Carpinejar. Será exibido apenas em outubro.
Adorei o formato deste programa, bem diferente, informal e o objetivo da máquina é interessante. Foge do mais do mesmo, sabe. 

A gravação acabou às 18hs e pouco, levamos mais de uma hora para chegarmos em casa, sendo que a distância não é grande entre a Avenida Paulista e onde moramos. Se o trânsito sempre foi um caos, então agora com a faixa exclusiva para ônibus, nem se fala. Dá vontade de arrancar todos os fios de cabelo.

Assim que cheguei, avisei a Fê para descer na recepção, tínhamos combinado de tomarmos café para definirmos algumas coisas dos filhotes, mas acabamos mudando de ideia: substituímos o café por cevada. A noite estava boa e fizemos um happy hour num boteco perto de casa. No caso, foram ~horas felizes~, pois chegamos agora há pouco.

E já que não dei bom dia hoje por aqui, vim dar boa noite. Amanhã o dia será longo para nós e à noite vamos prestigiar um amigo no teatro!

Boa noite e uma ótima semana! ;)              

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Curitiba

No final de semana retrasado, eu e o João fomos curtir mais uma vez Curitiba! ♥
Desta vez, tínhamos dois compromissos profissionais para cumprir: sessão de autógrafos na livraria Cultura e discotecagem na balada Sistema X.
Como chegamos na sexta à tarde, então tivemos bastante tempo livre para nos divertirmos com os piás Few e Will.


Na sexta, depois da sessão de autógrafos, fomos jantar na lanchonete Kharina. Nos acabamos na porção de nachos com queijo (1), comi um sanduíche delicioso (esqueci de tirar foto), bebi vodka com frutas vermelhas (2) e a canela deu um toque especial. De sobremesa, comi uma fatia de torta de limão (3).
O ambiente é muito gostoso, o atendimento é ótimo e ágil. A única crítica é em relação à torta de limão que me decepcionou. Sou quase uma ~especialista~ neste doce, pois é uma das minhas sobremesas favoritas, mas achei que a de lá é um tanto artificial, não tinha muito gosto de limão e a consistência estava dura demais. Mas ok, as demais coisas compensaram.
A lanchonete é tradicional e super antiga, existe desde 1975. O que mais me chamou atenção foi o cardápio, super bem feito e criativo.

No sábado, acordamos cedo e fomos caminhando até o shopping Estação. Fizemos algumas comprinhas e antes de irmos embora tomamos espresso e comemos brigadeiros no Estação Brigadeiro (4) que fica num antigo vagão de trem.
O espaço é bem pequeno, mas confortável. Há mais de 30 opções de sabores, mas acabei escolhendo os mais básicos: devorei um tradicional e um de nozes. E dei uma mordida no de canela com cravo que o João escolheu.
O brigadeiro de lá é maior que os da Maria Brigadeiro e da Brigaderia, e o preço é o mesmo: R$ 4,00.


À tarde os meninos nos buscaram no hotel e fomos jogar boliche (8). Há muito tempo que não jogava. Fechamos uma pista por 2 horas, mas o tempo passou tão rápido que nem acreditei. Conseguimos jogar apenas quatro partidas e em todas fiquei em último lugar, mas valeu a diversão. Demos muitas risadas!
Depois fomos na casa do Will, onde matamos saudade da mãe dele, a dona Carmem. Colocamos o papo em dia com ela enquanto tomávamos um lanchinho da tarde que preparou com o maior capricho. Daí fomos para a sala de TV e enquanto eles viam um programa de culinária no GNT, me aconcheguei no sofá e dei um belo cochilo. Sou uma visita que se sente em casa. rs
Antes de ir embora, eu e o Will tiramos fotos pagando de surfistinhas (5).

À noite, fomos jantar na churrascaria Batel Grill com rodízio de carne e massas, e também tem um buffet gigante onde encontramos de tudo um pouco. Este restaurante é tão bom que foi a quarta vez que fomos. O preço não é dos mais amigos, masss levando-se em conta a qualidade de tudo e da variedade de opções, vale muito a pena!
É para ir com MUITA fome e se acabar de tanto comer!
Já que não como carne, então não posso dizer sobre, mas o João disse que é um dos melhores rodízios que ele já foi.
O que mais gosto de comer lá é o nhoque frito que são mini bolinhas levemente crocantes. Ah, e também recomendo as opções da gastronomia japonesa.
E de sobremesa peça o bombom de morango (6). Não é um bombom literalmente. É uma camada de creme branco, uma camada de morangos e por cima uma de creme de chocolate preto quase brigadeiro de colher. Pense em uma gordice boa! Ai ai. Só de lembrar, salivo.
O jantar foi para comemorar o aniversário do pai do Few e lá tiramos a foto 9.

Obs.: a foto 7 foi tirada na livraria Cultura. Quando estávamos indo embora, o moço que serviu champanhe durante o evento, me pediu para tirar uma foto. Daí aproveitei para tirar uma segurando a bandeja.

Depois de tanto comer, fomos para o hotel. Não consegui dormir, então enquanto o João descansava, aproveitei para responder e-mails. Quando era quase 1h, foram nos buscar para irmos à balada.


Assim que chegamos no camarim, me deparei com uma garrafa de champanhe e outra de vodka, com várias latinhas de Red Bull. É muito amor, gente.
Nos avisaram que eu entraria para discotecar às 2h30, ou seja, tivemos muito tempo para beber e dançar, pois o camarim fica bem ao lado do palco com a cabine então o som estava altíssimo como se estivéssemos na pista.
E as fotos que estão acima enquanto eu comandava o som, foram tiradas pelo Will. Adorei em especial a do canto inferior esquerdo.

Chegamos no hotel às 5 e pouco. Eu estava bem até o momento de colocar a cabeça no travesseiro, daí foi quando o mundo girou. rs

No domingo, acordamos às 11h30, ou seja, perdemos o café-da-manhã no hotel. Os meninos foram buscar a gente porque precisávamos fazer check-out, mas nosso voo era no final da tarde.
Fomos ao shopping Mueller onde ficamos fazendo hora até o momento de irmos ao aeroporto.
Daí almoçamos na praça de alimentação e foi a maior dificuldade eu decidir o que queria comer.
Estava com pouquíssima fome e muita ressaca. E sabe quando a gente olha todas as opções de comida e nada agrada? Não queria lanche, mas também não queria arroz com feijão. Estava desistindo de almoçar, mas fiquei preocupada em sentir fome mais tarde, mais precisamente no avião e sabia que se isto acontecesse, seria obrigada a matar a fome com 6 amendoins.
E assim, acabei comendo meio que por obrigação, fui em um self-service e fiz um pratinho que não custou nem R$ 5. Por pouco o refrigerante não saiu mais caro.

Depois, resolvi tomar frozen que adoro e que está cada vez mais difícil encontrar em São Paulo. Há alguns anos atrás, virou moda por aqui e abriram vários lugares especializados. E com a mesma velocidade que abriram, fecharam. Infelizmente.
Até então eu sempre tomei puro, não gosto de colocar confeitos nem coberturas. Mas daí vi que tinha doce de leite, fiquei com vontade e pedi para a moça colocar. Se arrependimento matasse...
Primeiro porque estragou com o sabor do frozen. E segundo porque embora na plaquinha estivesse escrito doce de leite, no meu mundo aquilo chama cobertura de caramelo. E sim, são coisas BEM diferentes.

Depois passeamos, tomamos café, e então chegou o momento de irmos ao aeroporto. Mais uma vez foi muito bom curtir Curitiba! Cada vez que vamos, volto gostando ainda mais desta cidade!

Agradeço à todos que foram me prestigiar na sessão de autógrafos na Cultura ou na balada Sistema X! E agradeço demais também ao Few, ao Will e à dona Carmem por terem nos recebido mais uma vez de braços abertos! Até outubro! ;)  

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Bom dia!!

Duas semanas passaram e não consegui dar sinal de vida aqui, daí decidi: Ou vai, ou racha.
Farei o possível para que vá, afinal nenhum leitor merece blogueiro desnaturado, mas já estou achando que jamais conseguirei ser presente novamente como nos velhos tempos. Bem, tentarei!

O mês já está acabando e pelo menos até neste momento estou passando ilesa de gripe e de notícias ruins. Será este o primeiro agosto bom de minha vida? Não vou comemorar ainda, pois ainda não acabou.
Em contrapartida, ontem completou um ano de uma notícia bem triste, de uma batalha que perdi. Comentei sutilmente alguns dias depois em um post, mas sem especificar o motivo.
Nem acreditei quando me dei conta que já fez um ano. E esta notícia que veio como uma bomba, acabou mudando muito minha maneira de ver a vida. Precisei ter passado por isto por vários motivos.
O principal deles foi porque no meio da dor acabei recuperando minha fé e finalmente tendo interesse ao fazer meu desenvolvimento espiritual, vestindo branco uma vez por semana, enfim.

Este último finde foi bom demais! No sábado, às 10hs, eu e a Fê fomos em um Starbucks, onde foi nosso ponto de encontro de uma reunião sobre mais uma despedida de solteira que fechamos! :)
Nos reunimos com duas amigas da noiva.
E à tarde, realizamos mais um Chá Erótico em um salão de festas do prédio da cliente que nos contratou e que agitou com as amigas e conseguiu reunir 32 mulheres. Respondi várias perguntas, ensinei truques e vendemos muitos produtinhos. Ficamos com elas durante quase 4hs.

Saímos de lá cansadas, mas felizes com o resultado de mais um evento. Fomos para casa e continuamos o trabalho na planilha do caixa, organização do estoque, etc. Depois, abrimos uma garrafa de vinho e ficamos conversando sobre trabalho.
Às 20hs, eu e o João teríamos que sair de casa para uma festa surpresa de aniversário do marido de uma amiga. Ele chegaria às 21hs em casa, então todos os amigos convidados teriam de chegar antes para a surpresa.
Até me arrumar, ir ao supermercado para comprar alguma bebida pra levar, no fim chegamos quando eram quase 21h30! Por sorte, o aniversariante ainda não tinha chegado.

A festa foi muito boa. Como a maioria dos convidados é ator de teatro, então foi divertido participar da conversa do mundo deles.

Chegamos em casa quando eram quase 3hs. E se sábado foi produtivo e não parei, no domingo resolvi curtir uma boa preguicite aguda na toca. Depois de voltar do café-da-manhã na padoca, troquei de roupa e me joguei na cama. Até às 14hs, meu único esforço foi ficar apertando botões do controle da televisão.

Mais tarde, às 16h30, eu e o João saímos para almoçar. Como estávamos famintos e o dia estava frio, então resolvemos ir no Rancho Nordestino. Voltamos para casa e fiquei organizando como seria a semana.

No mais, o curso de hipnose acabou nesta segunda. Foi um bom investimento.
Agradeço as leitoras corajosas que se ofereceram para serem minhas cobaias, mas no fim, acabamos levando pessoas próximas e trocando de cobaias. Minha cobaia acabou sendo uma amiga de uma colega da turma. O professor nos disse que para a cobaia se sentir mais à vontade precisava ter alguém que confiasse por perto.

Por hoje é só, mas amanhã tem mais.

Até. ;)
 

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Bom dia!

Tudo o que é bom, acaba rápido. Meus dias de férias acabaram, mas consegui curtir o máximo que pude a minha toca. Aproveitei muito bem, até enjoei do sofá que me acolheu tão bem nestes dias. Assisti filmes e seriados, cometi muitas gordices deliciosas, li, me diverti sozinha com coisas simples. Consegui desligar a mente para o trabalho e tomar decisões para um futuro breve.

A única coisa que não consegui concretizar foi colocar em ordem meu mundo virtual. Como pode ter notado, não dei sinal de vida na semana passada. Liguei o computador apenas um dia quando comecei a responder e-mails acumulados, mas percebi que estar de férias e ficar horas no computador não faz muito sentido, pelo menos no meu caso.

Retornei ontem com disposição suficiente para encarar este segundo semestre!

E apesar de ser gostoso ficar à toa em casa, estava com saudade da rotina intensa. Pois bem, voltei!




quarta-feira, 24 de julho de 2013

Meus primeiros dias de férias

Como comentei em outro post, tirei alguns dias de férias para ficar entocada e curtir meu lar doce lar. São Pedro está colaborando com meus planos, tudo bem que eu preferiria passar o dia todo na piscina, mas em contrapartida, não mataria a saudade da toca.

Na segunda, o João me acordou dizendo que estava saindo, daí virei para o lado e dormi novamente. Acordei quando eram quase 11hs, me arrumei e fui passear um pouco com a Tati, parei em uma padoca para tomar café-da-manhã, e mais do que voltar para casa, voltei para a cama. Fiquei assistindo TV, embaixo do edredom e com a Aline e a Duda fazendo companhia para mim. Peguei no sono novamente e entre dormidinhas profundas, acordei pra valer quando eram quase 16hs. E posso dizer que meu dia começou realmente quando eram quase 17hs.

Não tive aula de hipnose porque a aula desta semana será na quinta-feira, e como o João está de férias na maçonaria, então decidi que irmos ao cinema seria uma boa. Segunda-feira é um dia ótimo porque sempre é vazio. Como estava por fora do que está rolando nas telonas, entrei num site para me atualizar, fiquei em dúvida entre três filmes. Liguei para o João pra avisá-lo sobre meus planos para a noite e ele topou.

Saímos de casa às 20hs e pouco, e neste intervalo fiquei assistindo TV, na verdade mais zapeando. E lendo revistas acumuladas dos últimos meses. Pelo menos deitada no sofá e não na cama. Daí cometi uma boa gordice: fiz brigadeiro de nutella. Queria ter feito palha italiana, mas fiquei com preguiça de quebrar os biscoitos de maisena. Devorei metade da panela e sem culpa.

Bom, chegamos no Kinoplex e fomos garantir os ingressos mesmo sabendo que as salas estariam vazias. Decidimos assistir o filme Tese sobre um homicídio.
Tínhamos quase uma hora para jantar. Como estava muito frio para ficarmos sentados nas mesas da área externa, então preferimos escolher algum lugar com mesas internas. Assim, tínhamos duas opções de restaurantes: Galetos ou Floriano.

Escolhemos o Floriano, pois ainda não conhecíamos e foi uma grata surpresa. É uma pizzaria, mas há outras opções além das redondas. O João preferiu se servir no buffet das sopas, que também dá direito ao festival de pizzas. E eu pedi um conini de funghi, que é tipo um temaki com massa e recheio de pizza. Ainda bem que pedi apenas um para ver como que era porque fiquei satisfeita, pois é beeem recheado, e delicioso.

João adorou as sopas e a pizzas que comeu, aliás, experimentei um pedaço da pizza marguerita e também aprovei. A massa é bem fina, leve e crocante. 

Ah, já ia me esquecendo dos sucos que tomamos: ele tomou um de melancia com limonada, e eu tomei o de laranja com manga e abacaxi. Boas combinações. Gostei mais do dele, pois o qual escolhi embora seja gostoso, achei denso demais, talvez por causa da polpa de manga.

Voltaremos com certeza!

Saímos do restaurante com menos de 5 minutos para o filme começar, paramos rapidamente na Starbucks para tomarmos espresso e fomos para a sala...

Tese sobre um homicídio é um filme espanhol de suspense muito bom! Não termina do nada como acontece com a maioria deste estilo. A gente jura que o final é óbvio, mas surpreende. 
Alguns detalhes não foram explicados ou concluídos, mas está aí a graça de um bom suspense, não é?

***

E ontem o dia foi com ainda mais preguicite aguda! Mas é uma delícia se desligar da vida e ficar em casa à toa. O dia todo foi com um frio absurdo, o que me deixou completamente sem coragem para encarar a temperatura da rua. Quando levantei da cama, quase 10hs, tomei banho e coloquei novamente o pijama. E voltei para debaixo do edredom.
A Tati subiu no quarto, sentou ao lado da cama e ficou me olhando com uma carinha de dar dó. Entendi o recado: ela queria passear.

Daí desci, peguei uma "fralda canina" ( parece uma fralda gigante que a gente põe no chão substituindo jornal ), estendi na varanda e então foi a vez dela de entender o meu recado. Ainda bem que ela é obediente e foi logo fazer as necessidades.

E passei a tarde toda, entre cochilos e seriados na TV. Substitui o brigadeiro por um pacote de Kit Kat Balls.

Quando eram umas 17hs, falei com a Fê porque a última vez que nos vimos foi na sexta e já estava com saudade. Então fomos tomar café. Não aguentei seguir o que combinamos e acabei perguntando sobre os nossos filhotes. Tô adorando ficar entocada, mas devo reconhecer que estou com saudade da rotina agitada.  

Nosso café durou quase 2 horas, mas falamos pouco sobre trabalho, apenas por cima. Quando o papo acabou, subimos para buscar a Tati e fomos passear com ela. Estava absurdamente frio, de doer os ossos.

E voltei para o calor da toca! o/

Festa Julhina

No sábado, os meus cinco minutinhos a mais, tornaram-se quase sessenta minutos. Tinha reservado a parte da manhã para os cuidados do lar doce lar, como ir ao supermercado para comprar muitas guloseimas para devorar em meus dias de férias na toca!

Depois, fomos a um almoço em comemoração de 80 anos, foi uma festa surpresa. Avisamos o pessoal no centro que chegaríamos mais tarde na festa julhina, pois não poderíamos deixar de ir neste almoço que, aliás, foi delicioso e muito especial!

Fomos embora quando eram quase 17hs, passamos em casa para trocarmos de roupa, pois o João estava com terno, daí buscamos minha sogra e a amiga dela e fomos à festa julhina!

Mal chegamos, ainda estava cumprimentando as pessoas que estavam na calçada quando fui presa! Sim, me levaram pra cadeia. A liberdade custava apenas R$ 2, mas tive que esperar alguém para me liberar. Por sorte uma amiga viu e me soltou. Mais tarde fui presa mais uma vez e quase fiz uma rebelião.

Tinha bastante gente, tanto médiuns como pessoas que frequentam a assistência. Não me lembrava do quanto arraiá é divertido, pois a última vez que participei de um, ainda era criança. E me diverti mais do que muita criança. Minha erê estava atacadíssima!

Brinquei em todas as barracas com jogos e em todas as vezes, ganhei o prêmio de consolação. No tomba lata, os meninos que estavam trabalhando lá, morreram de rir comigo, pois não acertei nenhuma bola nas latas e ainda tive a proeza de sumir com duas.
Na pescaria, desisti de pescar, pois haja paciência. Na boca do palhaço ( na barraca onde trabalhei, aliás ), acertei as bolas em todos os lugares, menos na boca do coitado. Na brincadeira de acertar argolas, não acertei nenhuma. 

Tinha correio elegante e mandei bilhetes de amizades para as minhas amigas e um de amor para o João. E também recebi bilhetinhos.

Também teve bingo, comprei algumas cartelas e minha sogra me ajudou a marcar, daí ganhei um kit de panelas! Tudo o que queria nesta vida! Só que não.

Mais tarde, teve a quadrilha invertida. O João comprou um vestido de caipirinha pra ele e fez sucesso. Os homens vestidos de mulheres estavam demais, um mais engraçado do que o outro. Eu fiquei irreconhecível.

Outra parte boa foi a do comes & bebes. Além das delícias tradicionais, tinha uma barraca de tapioca. Algo que adoro e que é bem difícil encontrar em São Paulo. Comi com recheio de brigadeiro de panela. Não era coisa de Deus. E com ela, ganhei uma nova banha com o maior prazer, é bom dizer.

No meio disso tudo, ainda trabalhei na barraca do jogo da boca do palhaço, e queimei 1/3 das calorias ingeridas por carregar várias crianças e ao me agachar inúmeras vezes para pegar as bolinhas no chão.

Enfim, nos divertimos pra valer! Minha sogra também adorou o passeio diferente. Fomos embora quando eram 22h30.

No domingo, chegamos mais cedo, às 14hs, e ficamos até o final. Estava previsto para acabar às 20hs, mas terminou às 22hs e pouco. Tentei a sorte mais algumas vezes, mas novamente fiquei apenas com os prêmios de consolação. Cumpri meu turno na barraca. Papeei com as amigas.
Ah, e rolou um leilão beneficente, daí arrematei um final de semana numa pousada em Monte Verde! :)

sábado, 20 de julho de 2013

Mais uma semana acabando e agosto já está chegando, meu mês de desgosto. Mas se tudo continuar caminhando do jeito que está, talvez consiga passar ilesa neste ano. Será?
Nem vi esta semana passar, nem parece que já é madrugada de sábado. O que eu imaginava que aconteceria, aconteceu: ter o filme exibido na Globo, abriu novas portinhas, novas oportunidades surgiram em poucos dias. E eu tô bem feliz com este momento, sabe. Gosto de colher frutos bons e de ver o quanto tá rendendo minha limonada  caipirinha de limão. 

E no meio disso tudo, vou tirar uma semaninha de férias, ficarei em stand by apenas para a Fê que, se precisar de mim, é só gritar, ligar, me chamar no whats, interfonar ou subir um andar e tocar a campainha. Com exceção de quarta, decidi que aproveitarei estes poucos dias para curtir minha toca, pois o que eu mais tenho sentido falta nos últimos meses, é de ficar em casa à toa. Se fizer sol - otimismo a gente vê por aqui - vou me bronzear um pouquim. Se chover, vou aproveitar para assistir filme e começar a ler algum livro.

Preciso destes dias para descansar pra valer, recompor as energias para encarar agosto até o fim do ano e tomar algumas decisões. Enfim, preciso descansar a mente para continuar. Será uma pequena pausa para respirar.

Vou aproveitar para colocar em ordem o que deixei de lado nestes últimos meses: este blog, mídias sociais e principalmente os e-mails da criatura.
Ah, estou devendo até hoje o post sobre a viagem à Curitiba, né? Mas, nesta semana, fiquei sabendo que voltaremos no comecinho de agosto pra lá , então não sei se escrevo a viagem anterior ou se deixo para a próxima.

São quase 2h30, João já está no décimo quinto sonho, fui deitar com ele, mas levantei novamente porque me acabei de tanto comer no jantar, fomos em um rodízio japa dos deuses e abusei da boa vontade de meu estômago. Não consigo dormir com fome nem empanturrada de comida.

Neste finde, participaremos da festa julhina que ocorrerá nos dois dias lá no centro onde trabalhamos às quartas. Vamos participar da quadrilha invertida e tal. E eu só não vou me acabar no quentão porque vou trabalhar em uma das barracas. Sem remuneração, mas com muita diversão! ;)

Bom, vou dormir. Bons sonhos e bom finde! Até.  

sábado, 13 de julho de 2013

Sinal de vida num dia feliz

Não consegui estar presente por aqui como comentei no último post. Nem no feriado prolongado pude parar e descansar. O único dia que tive "livre" de trabalho, no domingo, tive de abrir mão da folga, mas pelo menos foi por um bom motivo: passei a tarde toda gravando o Altas Horas.
Fiquei lisonjeada quando recebi o convite, ainda mais levando-se em conta que foi a quarta vez que participei deste programa!

Conheci o Pedro Bial, Grazi Massafera e Fabiana Karla. Mais uma vez tive sorte, pois nas quatro vezes, os demais convidados sempre foram pessoas que admiro.

E lembram que contei que o filme passaria na Globo? Enfim, o dia chegou! o/
Passará hoje no Super Cine logo após o Altas Horas.

Se bem que quem assiste a Globo já deve estar sabendo por causa das chamadas dele. Já faz alguns dias que confirmaram a data de exibição, mas não contei antes porque quis pegar de surpresa algumas pessoas que pre-ci-sa-vam assistir a chamada no intervalo da novela.

Ah, o horário será diferente, pois normalmente o Super Cine é antes do Altas Horas, mas hoje será diferente: o Altas Horas começará após o Zorra Total.

Bom, minha comemoração começou ontem à noite e continuará logo mais, porque né, não é todo dia que a gente tem o nosso filme passando na Globo... Então acho digno comemorar o máximo que puder!

No mais, além do trabalho a todo vapor com os filhotes, ainda ajudei na manutenção do centro que trabalhamos de branco, cada grupo de médiuns ficou responsável por um espaço da casa. Escolhi o cantinho que mais gosto: das moças. >3 E se nada der certo nesta vida, já me garanto com pintura de muro, tá?

Na terça, fomos conhecer a toca do Warley e da Fabi que finalmente estão morando juntos. Gosto demais deste casal! Depois fomos jantar na Pizzaria do Bráz. Quarta de branco. E na quinta, tive uma reunião tão boa... Fugi por um bom tempo disto, mas dessa vez não conseguirei dizer um sonoro "não, obrigada!". Resolvi topar este desafio e... Seja o que Deus quiser!
Desculpa, pai! Desculpa, Brasil!
A proposta foi irrecusável, não apenas pela parte financeira, mas principalmente com a visibilidade que pode proporcionar à criatura.
Dica: já disse em algumas entrevistas que não faria por não estar em meus planos por n motivos...

Enfim, me despeço por hoje. Já são quase 17hs e vou continuar aproveitando este dia lindo!

Não perca Altas Horas nem Bruna Surfistinha no Super Cine, combinado?

Bom finde e até!